Blog Esalqueanos

Sandálias da humildade (Vavá; F66)

16/03/2018 - Por evaristo marzabal neves
621 views 0 Gostei 0 Não gostei

Não se refere a um programa de televisão e muito menos orientação ortopédica, longe disso. 

No sentido literal, sandália significa “espécie de calçado, formado por uma sola que se liga aos pés por meio de correias, ou tiras e/ou cordões”. 

Já, humildade é “virtude de um sentimento que expressa simplicidade, modéstia ou sentimento da própria inferioridade (é gente humilde...que vontade de chorar)”.

Sandália, calçado simples e modesto, colocado sob os pés que comandados pelo cérebro, levam e movimentam corpo e alma das pessoas, caminhando e andando para atingir seus objetivos e que, calçada com humildade, conduz um ser simples para as escaladas da vida.


Então, num sentido figurado e começando com o ambiente de trabalho, deveria calçar sandálias da humildade:


a) Aquele que ignorando a cultura de uma comunidade ou de uma organização social atropela o cotidiano querendo, de repente e autoritariamente, impor mudanças e transformações naquilo que é costume, tradição cultural. Para este serve a orientação que passo ao aluno de que na chegada em qualquer novo ambiente “procure ser antes um agente de percepção do que um agente de mudança”, já que “a natureza nos deu dois ouvidos e uma boca, sinalizando que devemos mais ouvir do que falar e que, falando muito, podemos nos comprometer”. Relembro ainda de que negociação é a palavra chave no mundo moderno e que hoje é “ganha-ganha” e não impor “ganha-perde”. Isto já era. Vá com calma, não atropele a cultura existente, busque sua inserção e adaptação já que “tempo não é mais dinheiro, tempo é relacionamento”;


b) Aquele que tem a soberba da arrogância e no ambiente de trabalho menospreza o subalterno, apequena-o com humilhação, ironizando o “coitado” que não teve a oportunidade e o privilégio de nascer em “berço de ouro” e obter educação igual (aliás, confundem educação intima com educação universitária) afundando sua auto-estima. Por que não usar a prática do “elogio-critica”? Por que partir para a critica raivosa? Em minha passagem pela administração universitária, aprendi que com educação você ganha o respeito e que seus comandados, estimulados e motivados para o trabalho em equipe, aumentam sua eficiência e ganhos de produtividade, estabelecidos em ambiente oxigenado, arejado, saudável, sem assédio moral, sem a poluição da intriga ou do “diz-que-diz”;


c) Aquele que ocupando posição do poder adquire conduta soberba e postura autoritária, “nariz empinado”, arrogando-se ao direito de que tudo pode, acima da ética organizacional, pois caso não aceitem sua poderosa “autoridade” serão penalizados sob sua “lei”;


d) Aquele que não entende que todos têm problemas, uns mais do que os outros, emocionais, sentimentais, físicos, sejam domésticos ou organizacionais, mas que com incompreensão e intolerância não sabe discerni-los e auxiliar com orientação. Busca simplesmente ferir e machucar o próximo, ignorando o que pode ser armazenado no subsolo de seu inconsciente, feridas que não se cicatrizam mais.


“Sandálias da humildade” podem trazer a lembrança de que jamais foi visto Nosso Senhor Jesus Cristo calçando sapato de grife; aliás, a túnica, comprida e solta até os seus pés, não permitiam ver se estava descalço ou com sandálias. Provavelmente com sandálias simples, pois liderando e chefiando seus seguidores e simpatizantes, caminhou bastante buscando converter os ateus com mensagens de fé, esperança e caridade.

--------------------

Evaristo Marzabal Neves (Vavá, F66) , Professor Senior, ESALQ/USP. E-mail: emneves@usp.br

 

PUBLICIDADE
APOIADORES