Blog Esalqueanos

Working with Japanese (not me) (Samurai; F90)

21/05/2018 - Por flavio shuiti inoue
218 views 2 Gostei 0 Não gostei

Resultado de imagem para japao e brasil

Nestes últimos dias circulou a noticia de que uma grande trading japonesa está deixando o Brasil, de saída do negócio de grãos local.

Achei curioso, pois existem muitas empresas chegando, inclusive japonesas, daí pensei em fazer alguns comentários sobre minhas experiências com empresas e homens de negócios japoneses.

Tive a oportunidade de estudar no Japão quando muito jovem, e durante os anos 2000 estive muitas vezes no Japão me relacionando com empresas do setor de alimentos - setor considerado conservador inclusive pelos locais.

Os japoneses tem um conjunto de hábitos culturais - existem muitos artigos e livros que tratam sobre isso. Na minha opinião um dos principais pontos de choque entre a nossa cultura latina (eu latino, isso mesmo) e a deles é a precisão, ou falta dela.

Um homem de negócios japonês irá lhe fazer 20 diferentes perguntas esperando a mesma exata resposta (uma espécie de cross check), nos brasileiros damos 32 resposta para a mesma pergunta (chamamos de flexibilidade e adaptabilidade). Isso simplesmente os deixa loucos, levanta dúvidas, confusão e principalmente abala a confiança na relação. Por isso a decisão deles sempre leva uma eternidade localmente, não é lentidão - é confusão mesmo.

Os japoneses são ensinados a levar uma eternidade cautelosa para tomar uma decisão para sempre. Nós (latinos) tomamos e mudamos várias decisões para chegar lá - sim o nosso ambiente é muito mais volátil, mas algumas vezes existe exagero e despreparo no dito "jeitinho brasileiro" - os dois "jeitos" obtém resultados - mas o nosso deixa eles simplesmente loucos.

Existe razão nas duas formas, mas a diferença na forma de trabalho das duas é gigantesca, e várias pontes tem que ser criadas, construídas e mantidas. É uma tarefa hercúlea e demanda muito do emocional dos dois lados (meu lado latino), imagina mexer no emocional de um asiático então... - mas pode sim funcionar muito bem gerando ótimos resultados duradouros. Acho que as duas culturas que trabalham na Honda e a Toyota aprenderam isso ao longo dos mais de 50 anos de presença local.

A nossa versatilidade com a precisão e comprometimento a longo prazo dos japoneses (asiáticos) pode gerar negócios extremamente interessantes de longo prazo, para os dois.

O sucesso ou fracasso nunca pode ser creditado somente a um fator - porém construir pontes culturais são fundamentais em qualquer lugar, mesmo dentro do próprio pais ou na própria vida privada.

E viva a diferença e a compreensão.

Flavio Shuiti Inoue (Samurai; F90) Eng. Agr., CEO da Insolo, Ex Morador da República Gato Preto.

PUBLICIDADE
APOIADORES