Blog Esalqueanos

Autocontrole: é difícil alcançar? (Vavá; F66)

08/12/2018 - Por evaristo marzabal neves
174 views 0 Gostei 0 Não gostei

Autocontrole: é difícil alcançar?

Evaristo Marzabal Neves (Vavá F-66)


Por estes dias lendo uma entrevista com Ana Silvia P. Fiore, psicóloga clinica especialista em terapia para controle do estresse, anotei inúmeras reflexões que entendo importante para nosso aluno parar por um instante e meditar sobre ansiedade.


Jovem esalqueano, vamos a algumas das colocações da psicóloga: “Nossos pensamentos são conjunto de idéias, crenças e expectativas que fazem parte de nosso mundo cognitivo. Se analisarmos os acontecimentos de nosso dia-a-dia, verificamos que são nossas interpretações pessimistas sobre eles que nos deixam ansiosos. Nós aprendemos na infância, adolescência e vida adulta a valorizar certos eventos, desprezar outros, querer mudar o passado, não viver o presente e ter medo do futuro”.


“Da mesma forma, sempre esperamos muito das pessoas e de nós mesmos; contudo, nem sempre esta maneira de pensar que aprendemos ao longo da vida é correta, visto que às vezes desenvolvemos idéias e expectativas exageradas que, quando não satisfeitas, nos fazem ficar profundamente ansiosos ou frustrados. Por exemplo, o fato de um indivíduo achar que sempre precisa fazer tudo com a máxima perfeição e não pode errar. Então, qualquer falha, por menor que seja, é motivo para ficar ansioso”.

A psicóloga afirma ainda que “alguns pensamentos negativos podem desenvolver a ansiedade, como achar que é necessário ser aprovado por todos em tudo o que faz, quando as coisas não são exatamente do jeito que gostaríamos que fossem ou pensar que é mais fácil evitar as dificuldades da vida e as próprias responsabilidades do que enfrentá-las”.


Diante dessas ponderações, remete à reflexão algumas dicas para se autocontrolar. São as seguintes:


1. Analise as situações e/ou eventos específicos sob os quais ocorrem as ansiedades (exemplo: ter de falar em publico diante de muitas pessoas, avião, procura de emprego, etc.);

2. Reconheça e descreva para si mesmo os sinais iniciais de ansiedade (exemplo: tensão, mãos frias, boca seca, transpiração excessiva, aperto no estômago, taquicardia, etc.);

3. Identifique os pensamentos inadequados (irracionais), que geralmente acompanham as reações físicas e que podem servir de dicas para ficar atento e procurar se controlar; 4. Nas situações de ansiedade, torna-se difícil substituir os pensamentos negativos por positivos. Sendo assim, eles devem ser planejados e reestruturados anteriormente, para que os pontos positivos possam ser evidenciados;

5. Respire fundo, relaxe e imagine cenas agradáveis logo após a substituição desses pensamentos.


Jovem esalqueano o que acha dessas colocações da psicologa? Acha coerente e de fácil aplicação? Você se acha uma pessoa muito ansiosa, desmoronando por qualquer coisa? Que tal, então, praticar as dicas?

PUBLICIDADE
APOIADORES