Blog Esalqueanos

Discurso Jubileu de Prata F98 Ano Bunda Mole (Russa F98 e Kteto F98)

14/10/2023 - Por ano bunda mole f98
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

526 views 4 Gostei 0 Não gostei

Cara senhora Diretora, Professora Dra Thais Vieira, em nome de quem saudamos todas as autoridades presentes a esta cerimônia,

Prezado Sr Marcelo Luiz Marino Santos, Presidente da Adealq, em nome de quem saudamos todos os Esalqueanos e familiares,

Caros colegas acadêmicos do ano Bunda-Mole, prezadas esalqueanas, esalqueanos, Bom dia!

Primeiramente, gostaríamos de expressar nossa enorme gratidão aos colegas acadêmicos de 1998 por nos permitirem celebrar esta data numa posição tão especial. Este momento supera a emoção do dia da nossa formatura... há quase 25 anos atrás. Impossível não recordar daquela noite e do discurso do Prof. Zilmar Ziller Marcos, paraninfo da nossa turma, autor do hino da Esalq, que numa de suas estrofes diz o seguinte:

Vem inspirar deusa Ceres,

Os filhos da gloriosa,

Que partem pelo Brasil,

A propalar de norte a sul,

Cumprindo missão vitoriosa.

 

Somos frutos dos ensinamentos da Esalq e do progresso pessoal e profissional que ela nos proporcionou. A Esalq é capaz de mudar a vida de pessoas e, portanto, de capaz causar transformações importantes no mundo. Pensem aí quantos esalqueanos estão em posição de destaque nos mais diversos ramos de atividade, de norte a sul do Brasil, e em várias partes deste mundo afora.

 

Essa escola que nos expôs ao Cálculo I e II, ao insetário, a bioquímica e a fisiologia vegetal, a educação ambiental, a maravilhosa disciplina de Meteorologia Agrícola (risos), entre outros cursos inesquecíveis na nossa jornada. Curso que nos formaram para cumprir a tal missão vitoriosa.

 

Missão vitoriosa portanto talvez seja usar nosso precioso tempo na busca dos nossos anseios profissionais e sonhos individuais que dão proposito para nossa existência... As religiões se valem do transcendental para dar sentido a nossa vida. Os japoneses das ilhas Okinawa, por exemplo, tem uma filosofia própria de vida chamada de IKIGAI, quer dizer "sentido da vida", e que é relacionada à motivação para uma existência mais feliz. IKIGAI significa conseguir equilibrar quatro dimensões da nossa vida: Paixão, Missão, Vocação e Profissão.

 

De uma forma mais simples, podemos interpretar os quatro pilares do IKIGAI dizendo que, em primeiro lugar, você precisa ser bom no que se faz; o segundo ponto fala sobre tornar-se útil para alguém... que alguém precise do que você faz. O terceiro ponto do Ikigai é que consigamos viver dignamente do que fazemos. Finalmente, o Ikigai também recomenda que tenhamos prazer em fazer o que fazemos.

 

Temos, como formados nessa Escola e nesta universidade, ambos um enorme privilégio e grande responsabilidade. Responsabilidade de contribuir para um mundo melhor para os nossos filhos, responsabilidade de pensarmos juntos sobre que mundo é esse, e como contribuímos como profissionais e como indivíduos. A ESALQ nos formou como pessoas e como profissionais, nos permitindo ver além das nossas bolhas, entender diferentes mundos e pontos de vista. Nos permitindo dialogar. E diálogo, queridos amigos, é fundamental para cumprirmos a tal missão vitoriosa.

 

Estamos aqui mais uma vez reunidos comemorando o Jubileu de Prata desde a nossa formatura... nos conhecemos há 30 anos. E a cada vez que nos reunimos, parece que foi ontem. Infelizmente, contudo, alguns de nossos colegas não puderam chegar até aqui conosco: a Musse (Flavia Falange Carneiro), o Xita  (Fabio Schmidt) e o Válvula (José Carlos Tadaaki Magario Júnior).

 

O tempo talvez não nos permitiu interagir com nossos amigos como deveríamos ou gostaríamos. Mas este tempo que ainda está disponível para vivermos a frente; esse tempo as vezes ingrato e às vezes bondoso, que nas palavras de Mário Quintana, poderia ser descrito assim:

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são seis horas!

Quando se vê, já é sexta-feira!

Quando se vê, já é natal.

 

Quando se vê, já terminou o ano.

Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.

Quando se vê, passaram 50 anos!

Agora é tarde demais para ser reprovado.

Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.

Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

Seguraria o amor que está à minha frente e diria que eu o amo.

E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.

Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.

A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.


Rendemos nossa homenagem aos que partiram. E, ao mesmo tempo, prestamos tributo ao tempo que nos aguarda pela frente, a esta vida que certamente cada um saberá transformar numa missão vitoriosa de acordo com seus valores.

Que sejamos capazes de fazer nossa vida grandiosa sob nosso ponto de vista, que façamos um mundo melhor para o nosso próximo, que possamos buscar cada vez mais nos aproximar nesse tempo que nos resta.

Agradecemos a cada um por estar aqui, por continuar aqui (no peito). Um abraço apertado em cada um de vocês.


Há coisas que são boas por alguns instantes, outras por algum tempo, só algumas são para sempre. Esta oportunidade que tivemos de estarmos juntos nessa Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz é uma dessas que duram para sempre.

Obrigada

Russa e Kteto.

PUBLIQUE NO BLOG!