Blog Esalqueanos

Humanidade: Drama ou Comédia?

09/10/2020 - Por rubens de miranda benini
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

280 views 5 Gostei 0 Não gostei

Humanidade: Drama ou Comédia?

A história humana qual como conhecemos pode ser descrita de duas maneiras: Na forma de um drama trágico, geralmente formado por quatro atos, onde o último, quase sempre culmina em tragédia; ou na forma de comédia, que em contraposição ao Drama, há um quinto ato e as coisas terminam, por assim dizer, de forma mais amenas, ou não terminam, há espaço para imaginarmos um “final feliz”.

O primeiro ato é o próprio surgimento da espécie Homo sapiens, cerca de 200 ou 300 mil anos atrás, e sua evolução cognitiva e capacidade de atuar em rede, que culminou na extinção de outros hominídeos e de muitas outras espécies animais, que não tinham capacidade de trabalhar em grupos ou de se comunicar. A comunicação e organização social foi essencial para o desenvolvimento de nossa espécie.

O segundo ato ocorre no momento, após a última era do gelo, há 10 mil anos, onde nossa espécie domina a agricultura e pecuária e deixa de ser uma espécie de comportamento nômade. Literalmente fixamos raízes e conseguimos então, acessar proteína e outros nutrientes, conforme nos convém.

O terceiro ato é quando executamos as grandes revoluções no planeta, especialmente a científica e a industrial, entre os séculos XIV e XIX. Após a descoberta de vacinas, antibióticos e da revolução industrial, menos de 200 anos atrás, erámos apenas 1 Bilhão de habitantes. Atualmente, somos quase 7,7Bi, com projeções de chegarmos à quase 10 Bilhões de seres humanos em 2050. Mesmo com as grandes guerras e epidemias vivenciadas no século XX, explodimos demograficamente. Vivemos atrocidades onde o ser humano, em alguns momentos, acreditou ser necessário exterminar algumas raças dentro de sua própria espécie.

Alguns cientistas que estudam a capacidade biótica da Terra apontam que o planeta suportaria entre 300 milhões e os mais otimistas falam que a Terra comportaria até 2 Bilhões de seres humanos. Há ainda os que acreditam que as tecnologias que serão aprimoradas ou ainda estão por surgir, como nanotecnologia, biotecnologia, bioengenharia, física quântica, dentre outras, podem ajudar a trazer recursos para atender a toda atual população humana. O assunto é controverso.

É inegável que nossa espécie superou qualquer outra que tenha surgido no planeta em termos de proliferação, adaptação e capacidade de transformar o meio ambiente às nossas necessidades ou melhor comodidade. Esses três primeiros atos foram essenciais e cruciais para fazer com que nossa espécie seja o que se tornou.

Ainda nos dias atuais, essas características estão intrínsecas em nosso DNA. Do mesmo modo que fizemos há 200 mil anos, ainda tentamos exterminar as espécies que julgamos nocivas, ou que nos trazem pavor, como serpentes, insetos, vírus e bactérias. Protegemos tendenciosamente a propriedade privada e somos contrários a grupos que usam a terra como bem em comum que não delimitam suas posses. E obviamente as revoluções tecnológicas ainda nos são essenciais e necessárias e nosso futuro depende de tecnologias e avanços inovadores, sobretudo para enfrentar novos desafios, como pandemias e impactos econômicos das mudanças climáticas.

Considero que vivemos agora o quarto ato: a era da informação. Nunca se teve tanto acesso ao conhecimento. Mesmo pessoas com poucos recursos têm milhares de vezes mais informações hoje, do que tinha um presidente norte americano, há 50 anos. Assim como todos os outros três atos (cognição e organização social, domínio da agricultura e conquistas revolucionárias na ciência e indústria), as atividades e ações humanas nesse quarto ato também podem ser geradas para o mal ou para o bem. Depende de quem manipula os dados e quais os interesses.

Historicamente, temos a tendência de agir conforme nossos interesses privados ou individuais. Talvez isso esteja ligado aos nossos instintos mais primitivos de perpetuação de nossos genes. Isso nos leva ao egocentrismo, à exploração desordenada e situações denominadas como “tragédias dos comuns”, onde um indivíduo quer ter mais vantagem sobre outro e acaba por agir de modo a esgotar os recursos mais rapidamente. Isso, por exemplo, foi a causa do colapso e desaparecimento de sociedades humanas no passado, como os povos que habitavam a Ilha de Páscoa, dentre outras civilizações. Aliás, ecologicamente, sabemos que a eficiência de uma espécie gira em função de sua capacidade de crescimento e reprodução e que o declínio de tais populações é associado à falta de alimento devido ao alto consumo de seus recursos naturais, relacionados à hiper população dando espaço ao surgimento de predadores oportunistas.

Agir com interesses pontuais, individualistas ou ego-centristas, tem sido o modus operandi de nossa espécie. E isso parece estar refletido em grupos sociais e políticos. É comum grupos (grandes ou pequenos) se defenderem, polarizarem e transformar tudo que lhes é contrário em inimigos. É como se fosse assim: “Se você não pensa como eu, é meu inimigo!”, ou: “É obvio que os dados que vocês apresentam foram manipulados para atender o seu próprio interesse! Claro que esses dados não são confiáveis!”.

Esse me parece ser o real e mais complexo desafio do nosso quarto ato enquanto humanidade: Como fazer para sermos mais altruístas, como se colocar no lugar do outro e como pensar em interesses coletivos e não apenas individuais, ou que defendam apenas alguns grupos?

Temos informação, temos história e aprendizado do passado, temos ciências. O fato é que nossa espécie tem a oportunidade única de reunir todo esse aprendizado adquirido e agir de forma coordenada, em rede, coletivamente, que aliás, foi uma das características que nos fez prevalecer em detrimento à outras espécies, como já dito.

No gênero drama, ao contrário da comédia, não há um narrador, cada personagem fala por si. Nem todos são protagonistas e nem todos tem a chance de mostrarem sua própria voz e visão de maneira igual, porém, todos agem de forma individual. Claro que, devido ao nosso espírito julgador, tendemos a concordar com os personagens que nos trazem situações familiares. Porém, para os imparciais e altruístas é impossível julgar e apontar quem está certo e quem está errado.

Cabe a nós decidirmos se acabaremos dramaticamente em uma tragédia, tal qual civilizações do passado, ou se nos daremos a chance de ir ao encontro de um quinto ato, nos permitindo, quem sabe, uma comédia, em busca de um final feliz.

PUBLIQUE NO BLOG!
PUBLICIDADE
APOIADORES