Blog Esalqueanos

O ciclo do ouro faz desenvolver a agricultura para abastecimento interno (Adilson Paschoal; F67)

10/04/2019 - Por adilson dias paschoal
Atenção: Os textos e artigos reproduzidos nesta seção são de responsabilidade dos autores. O conteúdo publicado não reflete, necessariamente, a opinião da ADEALQ.

80 views 0 Gostei 0 Não gostei

ASPECTOS HISTÓRICOS DA AGRICULTURA PAULISTA.

 

            Parte 4. O ciclo do ouro faz desenvolver a agricultura para abastecimento interno.

 

 

                      Adilson D. Paschoal

                               Professor Sênior da Esalq-USP

 

Século XVII. Vilas de São Paulo e de Parnaíba. Caminho Geral do Sertão e a ocupação do Vale do Paraíba. Com as Minas Gerais, chegam os negros da África. A fome em Minas, onde uma galinha vale seu peso em ouro. O açúcar das Antilhas Holandesas gera crise econômica no Brasil Colônia.

 

A bem da verdade há que se dizer que, pelo seu isolamento, a vila de São Paulo era paupérrima, sendo as casas não mais do que choupanas cobertas de palha, com exceção das casas dos mais nobres, das igrejas e dos órgãos administrativos. A agricultura era de sobrevivência. Afora os poucos detentores de títulos de nobreza, a maioria de sua gente era inculta, de homens do campo, mercadores de recursos limitados, artífices e aventureiros de toda a casta, seduzidos pelas possibilidades com que lhes acenava o continente novo. Muitos eram descendentes de condenados, deportados de diferentes povos da Europa, e de mulheres indígenas. Era tal a carência de mulheres brancas, que o padre Manoel da Nóbrega, certa ocasião chegou a afirmar em carta que “os paulistas aceitariam até as mulheres erradas de Portugal.”

Nas entradas e bandeiras, a vila de São Paulo encontra sua principal fonte de renda: a mão de obra escrava. Para isso, porém, tinha-se que enfrentar a vastidão dos campos e matas, as sombrias florestas emaranhadas de cipós e espinhos, os morros escarpados, os pântanos e rios caudalosos, a ferocidade das onças, o veneno mortal das cobras, as picadas de insetos, as febres, e as flechas silenciosas e mortais do homem cor de bronze, camuflado e oculto na imensidão e no silêncio das matas. Na volta, depois de muito tempo ausentes, não era incomum aos bandeirantes encontrarem suas esposas casadas com outros homens, que os tinham por mortos.

Apesar de os paulistas terem percorrido grande parte da imensidão do Brasil, estendendo as fronteiras muito além do que estipulava o Tratado de Tordesilhas, nenhuma vila ou povoamento surgiu no sertão por iniciativa dos bandeirantes indigenistas. Elas só começam a aparecer durante o ciclo do ouro, primeiro como simples paragens, com ranchos e pastarias para animais, convertidas em povoamentos, elevados a vilas e cidades. A necessidade de novas terras férteis para a agricultura e a busca de ouro e de índios fez surgir alguns povoados ao longo do rio Anhembi (Tietê): Santana de Parnaíba, Sorocaba e Itu, este local de parada e de partida de bandeirantes e monçoeiros em busca do sertão. Nele, muitas expedições fluviais (monções) eram organizadas partindo do Porto de Araritaguaba (Porto Feliz), às margens do Tietê, com destino às minas de ouro de Cuiabá.

PAULISTAS MONCOES P

Para os bandeirantes havia duas maneiras de penetrar o sertão inóspito: por terra, caminhando através de matas densas, ou por rios, enfrentando corredeiras e quedas d"água. Nas margens do Anhembi, povoados foram surgindo em locais de parada e de partida de bandeirantes e monçoeiros em busca do sertão. Muitas expedições fluviais foram organizadas partindo de vários portos do Tietê e, depois, do Paraíba, com destino às minas gerais. Partida da monção. Tela de Pedro Américo. Museu Paulista. Obs. Esta tela foi seguramente destruída pelo incêndio de setembro de 2018.

 

A economia da vila de Santana de Parnaíba era de subsistência. Pela sua posição favorável, torna-se importante ponto de partida das bandeiras. No século XVII, a vila se desenvolve pelo emprego da mão de obra indígena, por ser um núcleo exportador de índios para as demais capitanias, e pela chegada de famílias importantes; também era uma das principais áreas de mineração da capitania. As terras, tão abundantes na época, geralmente eram recebidas de sesmarias, sendo depois divididas e doadas para parentes e amigos, que as desmatavam e construíam suas fazendas e habitações, atraindo novos moradores. As culturas mais plantadas eram trigo, milho, algodão, feijão branco, cana-de-açúcar, uva, marmelo e legumes. Os instrumentos agrícolas da época eram foices, enxadas, machados, facões, cunhas, escopros e serras.

Os produtos da lavoura eram permutados com outros de maior necessidade. O sal vinha de Santos e era para aí que se dirigiam as tropas levando açúcar, fabricado em seus engenhos, ou outro produto. As mercadorias valiam pouco. A mão de quarenta espigas de milho valia cinco réis, um alqueire de trigo, quinhentos réis, e um bom cavalo, dois mil réis. Os bandeirantes de Parnaíba traziam muitos índios para as lavouras, fazendo crescer a população. Em nada era superior a vila de São Paulo à vila de Paranaíba.

Os primeiros bandeirantes buscavam índios e metais a oeste de São Paulo, em Mato Grosso, no Sul da Colônia e no Paraguai. O Anhembi (Tietê) era, assim, o caminho natural. Com a descoberta das minas gerais, esse rio acaba sendo esquecido por certo tempo, movendo-se a rota migratória para o vale de outro curso d’água: o Paraíba, a leste da vila de São Paulo. Este era um corredor natural para as bandeiras, por ser um vale facilmente transitável, comprimido entre a serra dos Sete Pecados Mortais (serra do Mar) e a serra de Jaguamimbaba (serra da Mantiqueira).

O rio Paraíba  era o caminho de penetração e ocupação das terras do vale, sendo utilizado por índios  e bandeirantes. Os sertões que margeavam o rio eram cobertos por matas densas, cortadas por trilhas indígenas e por picadas abertas em seu interior, ora ao longo de serras e espigões, ora margeando gargantas de rios e ribeiros, que descem da serra da Mantiqueira e dos contrafortes da Bocaina. Os  caminhos  percorridos  tinham  sempre  como referências o rio Paraíba,

as gargantas e trilhas da serra da Mantiqueira, e os caminhos para o mar (Ubatuba e Parati).

 Guiados por índios, os sertanistas que iam à busca do gentio da terra, e de ouro e prata, partiam de São Paulo, passavam pela região de Boigy, que deu origem ao povoado de Santa Anna das Cruzes de Mogi (Mogi das Cruzes), elevado à vila em 1611, descendo, então, de canoa, o rio Paraíba. No trajeto, entre densa floresta e muitas corredeiras, as pirogas corriam céleres passando por uma aldeia de bugres, refugiados da Borda do Campo, por eles chamada Tabaeté (“aldeia verdadeira”, em tupi). A aldeia origina um povoado em 1636, que logo se transforma na vila de São Francisco das Chagas de Taubaté (Taubaté), o primeiro núcleo de povoamento do Paraíba, ponto inicial para a ocupação de todo o vale. Em 1645, a vila dispunha de igreja matriz, casa de conselho e cadeia pública, além de moinhos de trigo e engenhos de açúcar.

Nas proximidades de Taubaté, muitos sertanistas e bandeirantes faziam pouso na paragem chamada Pindamonhangaba, nas terras do capitão João do Prado Martins, homem bom da capitania, neto de João do Prado e Filipa Vicente, que viera de São Paulo com a família e agregados, e que já estava de posse de suas terras em 1643, data de sua fundação. Mais tarde, em 1672, os irmãos Antônio Bicudo Leme e Brás Esteves Leme, netos de Antônio Bicudo e Maria de Brito, assim como de Brás Esteves e Leonor Leme, iniciam a construção de uma capela em honra a São José, fundando a povoação de São José de Pindamonhangaba, que passa a pertencer a Taubaté.  Anos depois, em 1705, seria criada a Vila Real de Nossa Senhora do Bom Sucesso de Pindamonhangaba, tornando-se independente de Taubaté.

De Taubaté e de Pindamonhangaba os aventureiros seguiam caminho passando por um local onde havia muitas garças brancas, por isso chamado pelos índios de Guaratinguetá. Nesse local havia, desde 1630, uma capelinha feita de pau a pique e coberta de sapé, em torno da qual se desenvolveu um povoamento, elevado a vila em 1651, a pedido do capitão Domingos Luiz Leme, bisneto de Brás Esteves e Leonor Leme, com o nome de vila de Santo Antônio de Guaratinguetá.

Vindos de Santana do Parnaíba, os pioneiros enfrentam os perigos de longa viagem, passando pela vila de São Paulo de Piratininga e o povoado de Santa Anna das Cruzes de Mogi, para chegarem a São Francisco das Chagas de Taubaté, onde tomam posse de sesmarias. O transporte é feito em lombo de burros e em pirogas indígenas, que sulcam as águas cristalinas do rio Paraíba, em cujas margens vicejam esplendorosas matas. Gravura de Johan Moritz Rugendas. Biblioteca Municipal de São Paulo.

 

Toda essa região pertencera à condessa de Vimieiro. Com a criação da Capitania da Conceição de Itanhaem, em 1628, com sede na vila de Itanhaem, inicia-se o povoamento do médio Paraíba, com ilustres figuras piratininganas adquirindo terras e mudando-se de São Paulo e de Santana de Parnaíba para estas novas plagas, dentre as quais muitos descendentes ─ netos e bisnetos ─ dos pioneiros Leme, Bicudo, Brito, Rocha e Prado. 

Navegando a favor da correnteza, nas águas do rio Paraíba, os paulistas e outros sertanistas e aventureiros atingiam as terras de Guaypacaré, onde existia um porto, que o tempo haveria de transformar no povoado de Nossa Senhora da Piedade (Lorena). O núcleo inicial da povoação surge no final do século XVII, com as roças de Bento Rodrigues Caldeira. Antes de o rio encachoeirar-se, na paragem de Cachoeira (Cachoeira Paulista), tomavam um caminho através da mata, que vinha desde o litoral até a serra, atravessavam a garganta do Embaú, por onde se transpunha a serra de Jaguamimbaba (Mantiqueira), penetrando no “Certam dos Cataguazes” e no “Certam do Sabarabuçu”, nas futuras Minas Gerais.

Esse trajeto, chamado Caminho Geral do Sertão, foi estabelecido por várias expedições, desde o século anterior. Em primórdios do século XVII, tal caminho foi a linha de penetração mais importante do Brasil, até a abertura do “Caminho Novo”, de Garcia Rodrigues, que passa a ligar diretamente o Rio de Janeiro às Minas Gerais, reduzindo para dezessete dias o percurso, enquanto era de sessenta dias o do Caminho Geral; desde então, o Caminho Geral passa a se chamar Caminho Velho.

Corria o ano de 1699 quando chega a Taubaté um velho de setenta e um anos, maltrapilho, barbudo e de cabeça branca, portando como armas arcos e flechas.

— Quem é? perguntam os moradores, sem obterem resposta.

Curiosos acodem ao átrio da matriz, onde o forasteiro, prostrado, de joelhos fixos no chão batido, parece orar uma longa prece.

Finalmente, depois de exame minucioso, uma mulher, Maria Leite, em suspiro profundo e cheia de emoção, exclama com voz quase que embargada:

— Minha Nossa Senhora! Sagrado Coração de Jesus! É o meu marido Borba Gato!

Sim, era ele, o destemido bandeirante paulista, que retornava depois de dezessete anos de andanças pelo sertão bravio. A esposa Maria, irmã de Garcia Pais, filho de Fernão Dias Pais Leme, havia mudado para a vila de Taubaté, na esperança de reencontrar um dia o marido aventureiro. Pouco depois, embrenha-se ele de volta ao seu ambiente favorito, para descobrir a lendária serra de prata de Sabarabuçu, que, afinal, não era de prata e, sim, de ouro, de ouro de grandíssima qualidade.

Margens do Paraíba. Fins do século XVII. Vultosa quantia de mercadorias cruza o rio, em balsas, levando todo o tipo de provisões transportadas no lombo de animais, principalmente alimentos e produtos manufaturados, além de gado e de escravos conduzidos às Gerais. Corria a notícia, de boca em boca, dos tristes episódios de fomes e mortandades que assolavam a região aurífera das Minas Gerais, desde 1697, devido ao fluxo migratório intenso para o território mineiro. Essa região, praticamente despovoada antes do ciclo do ouro, tinha agora trinta mil almas.

Os mineradores sonhavam com a riqueza e poucos se dispunham a trabalhar a terra para produzir alimentos, pois um escravo empunhando a bateia dava lucro cem vezes maior ao seu senhor do que se empunhasse a enxada. Nas crises de falta de comida, comia-se de tudo: raízes, lagartos, urubus e ratos. Uma galinha valia seu peso em ouro. Muitos morreram de fome, principalmente nas vilas mais populosas do vale do rio das Velhas: Vila Rica do Ouro Preto (Ouro Preto), vila do Ribeirão do Carmo (Mariana) e arraial de Santo Antônio do Bom Retiro da Roça Grande (Sabará), obrigando a uma retirada em massa desses lugares para povoados de população menos densa. Com isso, a produção de ouro cai assustadoramente, crescendo a de alimentos, embora ainda produzidos em quantidade insuficiente, obrigando à constantes importações.

A necessidade de alimentos (mais de noventa por cento dos víveres vinham de fora da região mineradora), o crescimento das vilas e povoados, e o enriquecimento rápido dos mineradores, fizeram surgir uma elite econômica na região, passando os gêneros alimentícios e os produtos manufaturados a serem importados em grande quantidade de Portugal e de São Paulo, sendo transportados no lombo de burros, em imensas caravanas, de centenas de animais, vindas de Parati, pelo Caminho Velho, e do Rio de Janeiro, pelo Caminho Novo. A abundância de matas fornecia madeira para a construção de igrejas, edifícios e pontes.

A escassez de mercadorias e de viveres, pela alta demanda, colocava o preço nas nuvens em todo o vale do Paraíba. Assim é que, em Taubaté, gastava-se 38$000 (trinta e oito mil réis ou trinta e oito contos de réis) em equipamentos para uma viagem a Minas: escopeta, 6$000; 12 libras de pólvora, 4$800; 36 libras de chumbo, 3$600; um tacho, 3$800; um prato de estanho, 1$280; sete facas, $600; alfaia e pedra ume, $480; um papel de alfinetes, 1$600; um terçado, 1$280; três cadeados, $600; quatro machados e quatro podões, 2$000; confraria do senhor, 1$000; cinco colares, $300; uma canoa, 7$000; duas arrobas de toucinho, 1$600; uma caixeta de marmelada, $400. Pagava-se em ouro, ou, os mais nobres, em moedas de ouro e de prata. As moedas que circulavam no Brasil desde 1698 eram cunhadas na Casa da Moeda do Rio de Janeiro, sendo as de ouro nos valores de 1$000, 2$000 e 4$000 e as de prata nos valores de 20 (chamada vintém), 40, 80, 160, 320 e 640 reis (patacas). As moedas só circulavam na faixa litorânea, onde ficava a maior parte das vilas e cidades. No interior, prevalecia o escambo ou troca de mercadorias. Nas Minas Gerais, as moedas não circulavam ainda, sendo o ouro pesado servindo para os negócios. A riqueza se avaliava com base na propriedade imobiliária e o gado tinha um meio de intercambio bem aceito.

O ouro salvara a Colônia e, consequintemente, a Metrópole, pois com a expulsão dos holandeses do Nordeste em 1654, onde se concentrava a maior produção do açúcar brasileiro, houve a primeira grande crise econômica da nação que florescia. Os holandeses, responsáveis pela rápida recuperação, desde 1630, das lavouras de cana e dos engenhos de açúcar dessa região, máxime em Pernambuco e na Bahia, através de créditos concedidos aos proprietários e facilidades para a aquisição de escravos africanos, e que por décadas financiaram, transportaram, refinaram e distribuíram o açúcar produzido no Brasil, levaram consigo para as Antilhas Holandesas (América Central), mudas de cana-de-açúcar, que logo formam grandes lavouras, o açúcar aí produzido, a baixo custo,  fazendo séria concorrência com o brasileiro, gerando crise que atravessaria a segunda metade do século XVII até a descoberta de ouro nas minas gerais.

A canavicultura só voltaria a se reerguer como atividade econômica em São Paulo, na segunda metade do século XVIII.   

 

Continua.

 

 

Referência.

Paschoal, A.D. História de uma família. Genealogia à luz da história. Tomo I. Séculos VIII a XIX. 430 p. Piracicaba, 2007.

 

PUBLICIDADE
APOIADORES